Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Traduzindo futuros


Quando o futuro vira passado
Na cruel distância que há entre mim e ti.
Chovia.
Demais.
Eu vi você.
Meu coração saltou.
Tentei disfarçar como se fosse banal.
Tentei evitar a verdade fatal.
Aí você se aproximou.
Eu vi você.
Demais.
Amanhecia...

Um futuro adormecido amanheceu quando acordei naquele dia
E eu velava teu sono... eras real e não miragem de louco sonho.

Você estava em meu futuro.
Quando o vislumbrei,
Quase ao alcance de meus lábios
Estiquei meus braços
Eu acho que me apavorei
Você, como pássaro assustado
Num segundo transformou-se em passado
Antes mesmo que eu pudesse tocá-lo.
Tenho saudade do futuro que não vivi com você.
Imagine só, nós dois, como seria
Imagine só, essa minha idéia
Imagine só, como sou tola
Imagine só, nós dois!
Imagine, com você?
Imagine...
            perdeu-se na poeira fria do tempo.
A ampulheta do Destino acabara de se quebrar
Depois que tracei meu próprio destino.
O futuro só é futuro porque é incerto.
E o que é incerto cativa, dá vontade de tocar.
A lágrima do escuro de ontem de repente passa a reluzir na luz.
Uma vírgula, numa frase, pode alterar o futuro
Um sim, um não, um quem sabe...
O gosto do futuro é bom
Porque ele quebra todas as nossas expectativas
Estilhaça com as ansiedades.
Futuro do pretérito.
      Traduzindo: futuro do passado.
E o passado tem futuro?
E o futuro, pode ser passado?
Na gramática, pode.
      amaria, sofreria, partiria

o futuro tornou-se passado depois que nos despedimos
um futuro envelhecido, desgastado, retorcido
porque depois daquele abraço
- que não foi apenas um abraço –
percebi que o futuro se perdia.

O Futuro Não Nos Reserva Nada
Nós É Que Muitas Vezes Nos Reservamos Dele

De agora em diante não sigo rastros
A não ser os meus deixados
Pelo eu futuro que se apartou de mim
Só pra me ver apavorar pelo caminho traçado
Desde sempre por mim.
O cérebro humano é fantástico. Ele está no presente tanto quanto pode estar no passado ou no futuro. Imaginar como seria – ou será – pode nos levar ao céu ou ao inferno. O fato é que tentam desvendar os segredos do tempo, adivinharem o futuro e assim será – aparentemente – pra sempre. Quando se pensa em Eternidade, parecemos afirmar a existência de um futuro-destino já traçado, como se fôssemos joguetes nas mãos de algum Deus do Tempo. Não é justo, e nossas escolhas? Uma escolha e não se muda tudo? Ou nada muda, tudo está exatamente como deveria estar, mas não só como, mas quando; tudo está quando deveria estar.
por Elayne Amorim
Postar um comentário