Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Traduzindo o ser mulher...


Eis-me aqui, tentando explicar minha própria natureza inexplicável.
Sim.
Pra ir pra cama comigo, tem que despertar sentimento.




Nascera menina mas gostava de brincar com terra e pular nos riachos e voar em cipós.
Vestidinhos estampados mas não tinha modos, eles eram grosseiros e sem pudores.
As bonecas ficavam novinhas, quase em suas caixas, bom mesmo era subir em árvores.
Que charrete, que nada, ela gostava mesmo era de sentir o pelo sob suas pernas, o calor, o suor.
Mas não deixava de sonhar com príncipes que lhe declamavam belos poemas.
Mas não deixava de dar aquele sorriso docemente sem graça quando ganhava um elogio.
Sua meiguice era cativante e sedutora, mas seus modos grosseiros...
Tinham que ser polidos tolidos a qualquer preço, senão os outros...
Não sabiam que aquele conjunto de opostos compunha sua alma profunda
Que as mulheres, as grandes mulheres, saíram do barro e da rosa
São primitivamente modernas e selvagens; na verdade
Elas não se definem muito bem... precisam ser criadas livremente

Tentaram retirar o sorriso da menina tosca
Mas a menina conhecia-se muito bem e sabia
Que um dia retornaria para aquele corpo de mulher.

Eu não diria que em mulher não se bate.
Eu, como mulher, digo
Que em ser vivo algum se bate.
Não viemos ao mundo para provocar dor.
Gosto de ser mulher quando estou em teus braços.
Eu fico sem graça quando me olhas sério,
Teu olhar cheio de desejo e mistério
Faz-me tremer e tremo.
Adoro ser mulher só para ouvir tua voz grossa
Ao pé do meu ouvido feminino.
É bom ser mulher pra te seduzir e te enlouquecer
E te ver sedento a tentar me convencer que és perfeito pra mim.
Gosto de ser mulher pra sentir teu gosto masculino
E com meu instinto te seguir, te rastrear, te encontrar
Indefeso homem que em minhas mãos tornas-te um garoto.
Gosto de te seduzir e te falar besteiras e rir pra ti
E rir de ti...
Ainda bem que sou mulher, que sou tua mulher
Que viera pronta pra ti
De corpo e alma
Pronta
Totalmente pronta
Pra ti.
Já desejei ser homem.
Que mulher nunca desejou?
Mais racional...
Não ter de menstruar...
Nem sentir TPM (acredite, é pior para quem sente do que para quem está perto)...
Ter força física para determinados afazeres...
Não se importar de entrar num bar cheio de homens bêbados...
E no ônibus lotado...
Não ser julgada por hábitos...
Ah... toda mulher, ao menos uma vez na vida,
Já desejou ser homem.

Mas o fato é que ser mulher é muito bom.
Essa coisa de ser intraduzível...
De chorar em propaganda de margarina...
De não ter vergonha de abraçar uma amiga...
De ser oblíqua e não dissimulada...
Essa coisa de conceber a vida...
De conceber vidas mesmo sem serem físicas...
De conter alma de lobo dentro de si e conduzir matilhas...
De ser frágil, sensível e guerreira...
Trazer nu’a mão a lança e na outra uma rosa...

Ah... ser mulher é muito bom
Não se importar de chorar em qualquer lugar
Por qualquer motivo que seja
Trazer o paradoxo em si:
- sensivelmente firme
duvidosamente certa
anjo e sedutora
ousada e fugaz –

Ser mulher é um mistério que não me canso de desvendar (-me).

Ela se importava demais com a aparência, o que os outros vão pensar, como meu marido vai me olhar, como minhas amigas vão me analisar...
Cremes, cremes, roupas, roupas, bolsas, bolsas, maquiagem, maquiagem
- ela não sabia que o que trazia dentro de si era muito maior que tudo aquilo
que julgava ser necessário para se mostrar.
Perdeu-se da essência de si mesma;  
perdeu-se procurando a própria essência.
Sou um pensamento de Deus
A alma mais terna de Deus
Enquanto que Ele, distraído,
Escrevia em suas tortas linhas
Criou-me em forma de poesia.

Eva sempre me intrigou. Que mulher maluca foi aquela de aceitar uma maçã envenenada? E condenar toda a humanidade feminina? Que mulher doida! De desafiar Deus e ser expulsa do Paraíso junto de seu Adão. Eva nos condenou a sermos curiosas, a sermos ousadas e por vezes abusadas. A sermos convidativas e intuitivas – Eva, de alguma forma, sabia – o mundo nunca mais seria o mesmo depois de seu ato estúpido. Mas também imagine só, uma mulher sozinha no Paraíso, que missão maluca era aquela de ser a Primeira Mulher do mundo que acabava de ser criado... todinho a ser desvendado. Eva, ainda bem que tu foras expulsa, de onde mais nasceriam poesias senão das imperfeições a que nos condenaste?
Falo demais. Sim, eu sei. Mas sou mulher, sou poeta, sou alma inquieta, sou sentimental, sou fogo que quer queimar. Gosto de palavras – apesar de irem contra mim às vezes. Eu sou mulher, sou feminina apesar de tosca, às vezes. Há momentos em que gostaria de ficar olhando apenas para dentro dos teus olhos enquanto sinto meu coração borbulhar no peito, porém, enquanto esses momentos não chegam, eu falo, falo, derramo palavras e mais palavras. Não te esqueças, antes de tudo o que sou, eu sou mulher. E mulheres falam, mulheres gostam de falar. Mulheres-poetisas gostam de falar metáforas. Quero inundar tua vida de poesia e feminilidades para aguçar-te os instintos masculinos que me mandam calar, ah... e como é doce calar-me em tua boca. Eu adoro calar-me em teus lábios e sentir intraduzíveis sensações... Tentarei traduzi-las depois, eu sei, me derramarei em metáforas tantas de novo, só para que me cales, de novo, e de novo, e de novo...
por Elayne Amorim
Postar um comentário