Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Indefinível poesia




Guardo palavras como quem guarda pedras preciosas.
Guardo versos sem poemas e frases sem sentido.
Guardo visões antigas como quem guarda memórias
O que aconteceu e o que não aconteceu estão em meus pensamentos.
Talvez eu seja viajante do tempo; talvez eu seja viajante de mundos.

Por apreciar também o silêncio
Guardo palavras que nunca foram ditas;
Palavras que (talvez) nunca serão ditas.
A natureza me ensina a silenciar diante da grandeza das coisas
Diante de tamanha simplicidade das coisas...

Tempestades.
Céu azul.
Borboletas que transpassam por mim.
Cores e poeira e patas e sons e olhares.
Teria de viver um século apenas para descrever tudo o que vi.
Receio um século ser muito pouco...

Então guardo as imagens como o poeta guarda suas palavras.
Não guardo por egoísmo: mantenho-as na segurança de sua preciosidade.
A poesia é solo sagrado e toda palavra revela um sentimento
E coisas que (ainda) não compreendemos.
Como a natureza, a poesia flui selvagem pelos poros
E simplesmente existe.

Rendam-se críticos! Abaixo as análises! Nada de múltiplas escolhas!
A poesia é uma só desde os tempos antigos,
Como a feitiçaria, as mulheres e o prazer: coisas proibidas.
Coisas incompreendidas.
Receio terem interpretado tudo errado.

A poesia não quer revelar nada, não pretende nada,
Não possui preferências nem pudores.
A poesia é o que há de mais humano e mais divino.
Guardada em grimórios, deveria ser declamada sob o luar
Como numa prece, numa invocação.

A poesia não é racional. Ela nunca será racional.
A poesia é sangue, é olhar, é pele,
É um gozo incontido no íntimo.
A poesia é a mulher que se tenta reprimir por séculos.
Não é objeto, mas um grito de horror, um uivo de prazer.

Não quero ensinar poesia, não existe “ensinar poesia”
Quero despertar poesia, arrepiar a alma, mexer na dor
Fazer ver o sentir, a sensação dos séculos passados
E futuros que se resumem no agora, no inevitável
E inescrupuloso agora – inesdobrável tempo de todos os tempos.
por Elayne Amorim
Postar um comentário