Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Traduzindo a mudança



Mudaram as estações.
Eu também mudei.



Tudo me é estranho, porque
Trago uma essência que acho
Minha aparência esconder.
O que mudei foi o que superei.
O que não desisti. O que não
Me permiti se sobreporem
Contra mim.
 
Quando digo que queria que as pessoas fossem diferentes
É que também cansei de ser tão igual e é preciso mudar.



O outono chegou com muitas chuvas. Atípicas? Talvez.
Se nem todas as mudanças são boas
Toda mudança requer mudança
- de atitude, de pensamento, de filosofias –
Toda mudança é uma onda que manda andar
Toda mudança é uma esperança de que vai dar
Certo.
Em algum momento a mudança vai funcionar.



Escuto os sinos badalarem em meus pensamentos...
E lá no fundo... de mim...
O silêncio das inquietações me olha
E o que é mais tenebroso: que aceitei a condição de ser eu
E de me lembrar do passado sem remorso ou dor,
Sem piedade ou vergonha;
Apenas um tempo em que estive e agora tenho a curiosidade de vasculhar
Para descobrir o novo que eu não havia descoberto antes.


Ter a certeza de que tudo passa.
Tudo muda.
A vida muda.
Ela nos faz vermos a nós mesmos
Com acidez
Com ternura

O espelho de agora
É o mesmo de antes
Mas e o reflexo?
E todas aquelas coisas
Às quais chamamos
Amor paixão loucura
(res)sentimentos.

Ah... essa coisa de respirar.
Um dia bem, outro também
Apesar de.
Inclusive quando.
E, principalmente, porque.

Ter a certeza de que só a incerteza basta.


Veja Bem: Poetas Não Mudam.
Eles São Mundos.


Experimentar
O caos
Apocalipsar
O instante
Poetizar
A dor
Mudar
Sem me esquecer
De quem sou.
 
Mudar também pode ser retornar, retomar um tempo que já fora bom.
E assim, para frente, caminhar.
Relembrar como era sentir a chuva cair nas costas
E molhar os pés nas poças de lama e rodopiar com os sapatos nas mãos.
Relembrar como era sonhar e não ter medo de dar errado.
Fazer versos soltos é tão bom, mudar o tom
Tenho a liberdade de criar.


Mudar assusta. Talvez porque toda mudança exige de nós uma escolha. O desconhecido se esconde às sombras das nossas idealizações mais esperançosas ou mais sombrias. Porém, se não tivermos coragem para passar por ela, estaremos abandonando a nós mesmos num canto qualquer. Li uma vez que “toda mudança é boa”; concordo em parte, e acredito que toda mudança pode – e quer – nos levar a algum lugar melhor, ela é necessária e, nesse momento, precisamos de perspicácia - ou, o dom da sabedoria. Há mudança boa e má, normalmente dói e arranca pedaços de nossos valores – esses que talvez precisem ser revistos ou modificados mesmo. Manter a mente aberta não significa “aprovar tudo”, mas saber olhar para tudo sem preconceitos ou medo e, aí, decidir. Mudar é aprender.
por Elayne Amorim

Postar um comentário