Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Aliança




Não me peças nada que eu não possa dar
O que tenho é pouco, quase nada
Não me peças para compreender teu mundo
No máximo, posso admirá-lo
Não me peças para te fazer feliz
Impossível fazer brilhar o sol quando ele não quer

Não me peças em casamento
Minhas amarras são bem mais profundas
Não me peças opinião de tudo
Minhas opiniões são bastante adversas
Não me peças para escolher entre dois mundos
Eu vivo mergulhada num imenso universo

Não esperes…
Não faças pedidos…
Não te desculpes, não te culpes…
Não te enraiveças, não estragues tua alegria nem tua tristeza por causa de mim…

Aos lobos florestas negras
Aos cavalos planícies longas
Às  águias céus sem horizontes
A cada qual seu ser total

Sê; sê o que és
E não me peças para ser o que não sou
Não quero pedir permissão para ser feliz
Não quero dar aval para que sejas feliz

A cada qual seu ser total
Mesmo que essa busca seja dolorosamente infinita
Que nosso encontro seja casual
Mesmo que marcado pelo destino dos céus
Que nosso encontro não sujeite o peso
De todos os séculos de erros humanos
Que nosso encontro seja apenas encontro
E nos permitamos nos encontrar como somos
E que um acrescente ao outro alento e loucura
Apenas acrescente
Que sejamos apenas nós mesmos
Viajantes do tempo num tempo que não compreendemos
E que por passar tão rápido só devemos ser bons
E com a imperfeição de nós nos permitamos amar
E nada mais…
por Elayne Amorim
Postar um comentário