Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

RENÚNCIAS

Quantas renúncias temos que fazer para sobreviver neste mundo?




É preciso renunciar à ingratidão para persistir na caridade.
É preciso renunciar às paixões para viver a realidade.
É preciso renunciar à crueldade da vida para não ser pedra.
Renunciar lágrimas para enxergar caminhos.
Renunciar àquilo que mais se quer para não causar espinhos.
Às vezes…
A vida é renúncia
E quando se percebe
Fazemos o que não queremos
Falamos de modo a não agirmos mais
Gritamos no silêncio do nosso quarto
Para que ninguém possa nos ouvir
Para que ninguém perceba que estamos desesperados
E renunciamos
O direito à palavra
O direito ao amor
O direito à liberdade
O direito ao sentir
Estamos aprisionados às escolhas que fazemos
Aprisionados à liberdade de renunciar a tudo que queremos

Não digo que a pessoa verdadeiramente livre seja feliz
Porque felicidade é estado, não permanência
Criamos ilusões para nos perseguir
Não digo que haja pessoa verdadeiramente livre, nem feliz
Porque liberdade é solidão
E como temos medo de sermos sós com nossas escolhas
Como temos medo de ser livres
E nos declaramos livres de nossas gaiolas monumentais
por Elayne Amorim
Postar um comentário