Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Leituras

Os poemas.
Eles já nascem prontos. São lapidados pelas vivências, emoções, pelos sentimentos mais profundos e incompreensíveis à razão. O poema - como uma criação - não pertence ao criador; não pertence a ninguém e a todos pertence ao mesmo tempo.
O que é lido - que não é o poeta, nem a alma do poeta - o que é lido está intrincado na humanidade.
O livro é uma coisa física; um acesso às palavras e sentidos que acabam permitindo acessarmos a nós mesmos. Por isso leitura é coisa perigosa. Conhecer-se é também tanger a possibilidade de conhecer o outro. Ler é uma maneira de acessar a dor alheia, aos sonhos alheios, aos risos e choros alheios de que tanto nos esquivamos. É uma das coisas mais belas e difíceis que a Literatura nos proporciona: colocar-se no lugar do outro e, então, provarmos um pouco de nossa própria humanidade.
Não é fácil reconhecer-se humano.
Sujeito a todas as transformações humanas, a todas as imperfeições humanas, a todos os tipos de sentimentos humanos.
Ser humano também, talvez, seja essa possibilidade de – se quisermos – provar um pouco da realidade do outro.
É tão mais fácil ser mito, mártir, santo, líder, exemplo... perfeito. Porém humano. Porque reconhecer-se humano é reconhecer-se simplesmente mais alguém sujeito às coisas humanas e que não temos o direito de julgar ninguém. Que preconceitos não têm lugar para este mundo humano. Nem intolerâncias.
É por isso que ler é perigoso. Porque nos põe em contato com nós mesmos e com nossa natureza em construção.
por Elayne Amorim

Postar um comentário