Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Eu sei dos perigos que as palavras trazem



Ando passeando com emoções turbulentas.
Meus pensamentos são pássaros migratórios
E vão seguindo teus rastros
Como se pudessem alcançar
A distância das tuas palavras.
Eles não sabem que a distância entre mim e ti
É a de um continente inteiro e o muro entre nós
São sentimentos confusos
Colados com liga de paixão
Arremate forjado a fogo.

Não há impossibilidade para nós, há o mundo
Com suas pessoas, os encontros e desencontros
Às vezes a nortada me traz
Um cheiro agreste de mar e sal
E o marulhar das ondas fortes
Parecem invadir a serra como se um tsunami
Chegasse arrebentando todas as cercas da razão
Meus pensamentos encantados
Mergulham neste mar mas apenas
Flutuam na atmosfera vazia


Meus pensamentos mergulham na imagem
Que a tua forma desenhou em miragem
Estás longe, minha razão
Grita! Enquanto meu coração
Permanece sentindo calado.
Eu sei dos perigos que as palavras trazem
Que mesmo à distância elas podem construir
Mundos, destruir muros
Alimentar sonhos, fazer brotar
Todas as ilusões de um coração faminto

Eu sei dos perigos que as palavras trazem
Mas minha alma de poeta ousa receber de ti
Cada frase, como se
A distância pudesse
Ser encurtada e tu
Pudesses estar ao meu lado de alma e corpo
E eu pularia no precipício que é se apaixonar
De novo, sem medo
Como se a dor fosse apenas
Um detalhe tingido de vermelho

Elayne Amorim
Postar um comentário