Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Também sou feita de esperas



Também sou feita de esperas.
Não costumo ter paciência, mas ela muito me é exigida.
Costumo ter muita pressa, mas hoje a calmaria do mar de momentos já consegue me tranquilizar.
Há lugares que ainda quero visitar, bichos que quero conhecer de perto, plantas que quero tocar, águas nas quais me banhar.
Tudo que em pensamento visito ainda vou concretizar, esse é meu pedido.
Eu não quero muita coisa não.
Luz do sol, água de mar, galopes em maresia...
Eu não preciso ir à Lua, rumar ao teu abraço é atingir a atmosfera fervente.
Escutar uivos pela madrugada, a pele se arrepiar de passado.
Numa canoa num rio serpente repleto de jacarés.
Ver uma onça pintada fugindo pra longe.
Em pé de fogueira escutar as histórias de lobisomens e uiaras e almas penadas que ainda habitam na floresta.
Não é que este não seja meu lugar: meu lugar é todo lugar onde habita vida. E espero vê-la.
Onde há calor e chuva e muitas águas, essa é minha riqueza.
Não sentir o tempo passar, deixar que ele passe como passa para os passarinhos.
Já esperei tanto o amor e hoje eu tenho tanto amor e nem sempre eu posso dar – essa é a mais dolorosa espera.
Tenho amores incontidos dentro do peito e eles explodem em formas de fonemas! Tento com que façam calar os meus ódios mais profundos, meus ascos pela humanidade que é a única condição de vida que não compreendo!
Com todo o sentimento mais puro e incontido preencher os vazios, arrancar as mágoas mais profundas, eu quero ser do amor como a liberdade é do cavalo, como o vento é do pássaro, como a melodia é do instrumento.
Eu espero compreender que não é necessário compreender.
Eu espero o instante do perdão verdadeiro.
Eu espero sem agir no momento em que não posso, em que não devo agir.
Eu espero agir no momento em que a coragem me exigir.
Eu espero a chegada e a partida de tudo o que é necessário para minha vida.
Porque também sou feita de esperas.
Espero a sinceridade das pessoas embora quase só encontre enquanto crianças sejam.
Espero a poesia chegar... no remanso de um açude como na Concórdia.
Espero a poesia chegar... como espero as lágrimas secarem até que se finde uma paixão.
Ah, eu espero sim! Porque há momentos em que só resta esperar.
E aí o tempo passou, a estação mudou, amores novos sempre vêm, rancores antigos sempre se desfazem... Os sonhos reaparecem.
Não é que eu espero meu futuro chegar, espero as sementes brotarem, porque a natureza sempre nos ensina a lei da plantação, da espera, da brotação, do que vingará, do que não; a natureza retribui ao que se faz e assim é a vida. A natureza não conhece pressa nem demora: só o homem tem pressa e demora a compreender.
Então sou feita de esperas naturais, porque não existe tempo certo, existe tempo de colheitas.

 Elayne Amorim

Foto: Açude da Concórdia - Valença - RJ
Postar um comentário