Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Nada é mais exato que a inexatidão das coisas...

É muito bom contemplar a amplidão e a infinitude, também ter consciência dos grãos... Um grão pode ser tão vasto quanto o céu, depende da forma de olhar. É reconfortante não ser exato, não ter que compreender tudo, libertarmo-nos das amarras da explicação lógica. É muito bom  sentir sem o compromisso de entender, apenas sentir, se permitir ao novo, descobrir a beleza dos paradoxos, desvendar mistérios criando outros...
É exatamente por ser vasto
E caber na palma da mão
Exatamente por não ser exato
Por haver perigo e ser sem razão

Por desafiar, por me doer
Por me fazer sentir
Por eu não entender
Por vezes me ver sorrir

Acalentar em mim desespero
Exatamente por me tocar
Fundo, na superfície, é quando chego
Resistente, me obriga a amar

Exatamente assim, difícil demais
Fácil demais, sem limite no limite
De algo que não compreenderei jamais
É exatamente inexato, por isso existe
por Elayne Amorim
Postar um comentário