Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Traduzindo saudade


A palavra exclusiva da Língua Portuguesa.
Intraduzível.

É o tamanho da distância que existe entre mim e ti
É a intensidade do sentimento que sinto por ti
É a vontade implacável que tenho por ti
É este fogo queimando em cada espaço vazio desta casa
É a contagem das horas que não passam
Tudo isso é saudade.
Casimiro,
A única saudade que tenho da minha infância
É a de que eu amava e não sabia que amava.
Continuo à sombra das árvores
Possuo laranjais e vasculho bananeiras
E meus hojes me trazem outras auroras
Tão belas que meus olhos infantis
Não saberiam decifrar.
Mas quanto ao amor...
Ah, Casimiro, tenho saudade sim
Os adultos jamais amariam com a intensidade
E a inocência de uma criança.
Desde que saí a navegar pelos mares nunca d’ante navegados de teus olhos
A saudade da minha casa segura e protegida sob a sombra da razão
Vai diminuindo e aumentando vai a saudade do brilho de teus olhos
Estou sem proteção, uma caravela que sabe de seu destino mas perdida
Na imensidão líquida das profundidades de tuas pupilas negras a me tragar
Se estou em outros mares – talvez mais seguros – sinto estranha saudade
Vontade de me aventurar pelo desconhecido, enfrentar gigantes, me deixar...
A navegar... A sentir... A cultivar saudades em mim só pra te procurar...
Te procurar... Minha bússola aponta para onde meu coração quer atracar
Persigo-te movida pela saudade de outra vez te ver e mergulhar... e me afogar...
Dentro das insanidades de teus olhos, mares negros inexplorados
Mares por onde serei guiada cegamente pelos sentimentos.
Saudade do que não vivi com você.
É, concordo, uma pena mesmo.
De repente os planos se transformam em futuro do pretérito
Deixando-nos estranhas saudades de coisas não vividas.
É aquela saudade do futuro
De algo que você sabe que não acontecerá
Por mais que você quisesse.
Não se pode ter tudo.
Já sinto saudades de você, já sofro o sentimento intraduzível.

Na tarde branca eu solitária sento-me em uma cadeira à varanda. Recosto-me. Olho pro céu branco, as nuvens parecem estáticas. Muros, paredes, árvores ao longe, sons... de repente, tudo parece envolvido pela brancura da tarde. Sinto algo no peito apertando, enquanto acompanho as horas estáticas da tarde, enquanto, num outro plano temporal, imagens se passam pela minha mente, vozes de pessoas, eu quase posso até sentir o cheiro delas – é real... E toques e planos e sorrisos e despedidas e pelas imagens se aproximando vejo pessoas faltando, vejo planos modificados, sinto a ausência de alguém distante e tão profundamente em mim. Uma ou duas lágrimas despendem-se dos olhos que tentam contê-las para aliviar a dor, mas é uma estranha dor que não é uma dor, que é também vontade e na vontade algumas possibilidades e esperas que a alma às vezes se impacienta. Tudo isso junto eu acho que é saudade.
Até palavra inventaram para tal sentimento – saudade –
Uma coisa que aperta no peito de coisa semiviva, semimorta,
De coisa que faz você olhar pro horizonte e esperar, e esperar, e esperar...
A maioria das caravelas não retornaram.
Não, conta a História que elas não retornaram.
Mas os olhos, ah... esses continuaram – e continuam – a esperar...

Sabes como gosto da saudade?
Quando te ouço ao telefone e tua voz distantemente próxima ao meu ouvido
Faz meu coração pular.
Quando leio tua mensagem deixada bem à tarde, entre as nuvens cinza,
E vejo um rastro de lembrança.
Quando, depois de muitos dias inteiros
Somados às muitas horas inteiras
Tu chegas...
Tu te aproximas...
Aí é o momento em que mais sinto saudade.
E é o momento em que mais gosto de senti-la.
Eu, sem graça das bobagens que te disse, desvio o olhar
E tu, rindo da minha timidez tola, te aproximas...
Te aproximas...
E me pegas num arranque de braços e cola teus lábios aos meus
E arranca de mim a saudade de ti e arranca de mim toda a saudade
Eterna de ti.
Linda palavra. Sonora. Sau
Dade.     
Linda, reflexo de uma língua
Viva.
Herança de um povo que con
Quistou.
Lindo nome para sentimento
Ino
Minável, minando aos olhos lá
Grimas.
Intraduzível palavra em qualquer
Língua.
Saudade. Que nasce da espera de
Você
Nasce da perda de um breve fu
Turo.
Nasce e não morre, além de tudo, i
Mortal
De imortal beleza portuguesa da
Língua
Brasileira. Saudade, que privi
Légio
Ser poeta só pra ter pra si pa
Lavra
Imortalmente intraduzível.

Saudade? É a presença causada pela ausência de alguém, de algo, de seres, de coisas... A presença de um sentimento que é terno, dolorido e cheio de esperança. Aperta o peito como uma paixão, traz lágrimas aos olhos ao se olhar uma fotografia estampando cenas que jamais serão revividas, uma emoção que nomearam muito bem – saudade – diz-se que é a palavra mais bonita do dicionário... Eu não acho a mais bonita, embora tão sonora e calma soa aos nossos ouvidos, como uma brisa do mar pela manhã enevoada. Saudade só é bom quando significa espera, só quando é matada com abraços e beijos longos, só quando pode ser reinventada entre os intervalos de tempo até que se encontre o outro... Saudade só é bom quando pode ser arrancada do peito.
por Elayne Amorim
Postar um comentário