Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

E viva a revolução!



Não poderia deixar de escrever. Ainda mais eu. Ainda mais quando. Ainda mais por quê. O texto não ficou bom, é claro, são quase duas da manhã depois de um dia de cansaço, porém, a poesia existe nos fatos, nas razões. Quando nasce uma flor no asfalto, é preciso parar para olhá-la, bem de bem perto, ver se não é miragem. É tempo de mudança: que não percamos esse trem.

Poxa, acho muito bom os movimentos – eles retiram o povo da inércia, inércia não é característica humana. Temos pernas, temos mãos, temos voz.
Não tenho assistido a telejornais nem ouvido muito a rádio nos últimos dias, apenas lido e, o pouco do que soube, já me deixara feliz, porque faz aquela esperança enlameada no fundo do poço esverdear-se e posso ver que ainda há pessoas não cegas, não surdas, não mudas. Ainda há tempo. Ainda é tempo.
Eu tenho muitas razões para protestar: o dinheiro do meu trabalho indo para o bolso dos que nem votei; meu trabalho sendo desvalorizado a cada dia: neste país, quem trabalha ganha quase nada e é submetido a avaliações, quem não trabalha que é o esperto, porque ganha e ganha muito sem fazer nada; passagens caras, sim, dependo delas. Ah, se fossem apenas os centavos... Os centavos que se transformam em milhares e os milhares em milhões... Acho que essas e outras razões não são apenas minhas... Neste país, os valores estão sendo todos subvertidos, as qualidades passam a defeitos e os defeitos, admiráveis. É o que vejo. É o que vemos. É o que vivenciamos. A moral e a ética, o que são mesmo? Não, não falo de moralismo bobo ou barato, falo de moralizar as instituições políticas, de haver ética quando o assunto é sério e não terminar em pizza e, ainda por cima, o povo achar graça da própria desgraça.
A corrupção e a roubalheira estão descaradas e ainda aplaudimos! Com o nome de democracia, muitos sistemas autoritários e ditatoriais vão se infiltrando, pouco a pouco, em nosso meio, e nem mesmo a opinião é ouvida ou tolerada pelas pessoas. É pecado pensar diferente, questionar, ser crítico.
Espero que tudo isso possa ocasionar em nós a mudança de mentalidade; despertar o espírito crítico próprio do ser humano; que possamos enxergar diante do brilho falso de que tudo anda bem.
            Qualquer obra, qualquer sistema, qualquer coisa que se faça e envolva dinheiro público (dinheiro do povo, portanto, nosso) há superfaturamento, há desperdício, há bolsos de inimigos que se enchem e se enchem e se enchem enquanto nós pagamos caro o preço de nosso descaso, de nossa ignorância política, de nosso conforto em “nada me estressa”. Estressa, estressa sim ver tanta coisa errada e, nem mesmo, poder falar. O que é? Ditadura? Estressa, sim, ver tanta bandalheira enquanto a honestidade é jogada ao ralo. Qual é? Que país é esse, repetia Renato na canção e repetem as pessoas tímidas em falar e se manifestar. Esse é o país que nós construímos. É mais fácil fechar os olhos, é mais confortável montar em meu cavalo e esquecer que esse mundo existe. É bem mais fácil não fazer nada. Não opinar, não olhar, não avaliar, não parar para pensar, não deixar de ter medo.
A maior violência está implícita, no dia a dia, subvertendo tudo aquilo que era pra ser o “certo”, desvalorizando o seu trabalho, retirando-lhe a “cidadania” enganosamente com palavras bonitinhas e piadinhas.
Certamente que baderneiros são totalmente dispensáveis, mas, sinceramente, como aguentamos tanto? E por tanto tempo?
Ah, estou farta! Farta! Farta de impunidade, de estupidez, de cegueira, de ignorância. Farta de ser mais uma analfabeta política, como se a minha ignorância não afetasse em nada, como se a sua ignorância não me afetasse.
Sim, é hora de aproveitarmos o momento não para fechar ainda mais os olhos, mas para abri-los. Enxergar, olhar cada detalhe, escutar, dialogar, botar em dia aquele patriotismo fácil quando usamos uma camisa de pano verde-amarela em dia de jogo. Sim, reparar. A revolução, primeiro, começa dentro das pessoas. Desorganizadas, unidas por um mesmo ideal, porque a realidade muda, ela tem que mudar, ela está absurda.
Que esse espírito seja fruto de corações realmente revoltados, com causas muito justas e sinceras e óbvias. E viva a revolução – a revolução que acontece no sentimento das pessoas, no cerne de uma sociedade tão violada em seus direitos e que ela – a sociedade, esteja acordando. De verdade.
por Elayne Amorim
Postar um comentário