Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Um dia meu de chuva

Eu aqui me dissolvendo aqui
Com a chuva
A chuva caindo, indo
Esbarrando pelo meio fio
Eu
Pedaços espaçados de mim
Mais um semestre indo
Mais um novembro indo
Mais um ano… indo
Rindo…
de nós.

A chuva que lava é a mesma que suja
É a mesma que mela, a mesma que faz brotar
A mesma irritante dos dias cinza
A mesma cicatrizante das erosões secas.

Eu me dissolvendo na inteireza de mim partida
Tantas, uma
Gotas de chuva
                        chuva única
Me espaçando
me reunindo

as lembranças são papéis à prova d’água

a felicidade cabe na gota da tempestade

o frio de hoje é o calor de amanhã
que vai me evaporar novamente

a chuva caindo caindo caindo
dentro de mim sol intenso
queimando queimando queimando
evaporando, precipitando sentimentos
por Elayne Amorim
Postar um comentário