Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Se os homens fossem humanos




Se fôssemos humanos
Não precisaríamos dos direitos humanos

Se fôssemos humanos
Não precisaríamos do dia da mulher
Nem do dia do orgulho gay
Nem mesmo criar leis
Para combater o racismo
Ou o analfabetismo
Ou o estatuto da criança e do adolescente

Porque se fôssemos humanos
Homens e mulheres viveriam como iguais
As pessoas notariam que hetero, homem, mulher, homossexuais
São rótulos usados em embalagens que guardam algo mais
Notariam que o mundo é multicolorido
Todos teriam o direito a aprender até onde quisessem
Às crianças o direito à inocência; à adolescência o direito à esperança.

Se fôssemos humanos
Caminharíamos lado a lado
- não marcharíamos atrás da ideia de um igual –

Se fôssemos humanos
Conviveríamos com ideias diferentes sem nos odiar
Tentaríamos apenas desvendar o grande mistério que é o amor
Porque nesse mundo a maior dor é e sempre será
Não poder amar a quem se ama

Se fôssemos humanos
Aqueles que se dizem céticos, ateus, espíritas, crentes,
Católicos, umbandistas, budistas, islâmicos etc etc etc
Conseguiriam conviver em paz
Porque perceberiam que cada um é capaz
De compreender o maior sem precisar
Diminuir ninguém para se sentir melhor

Ah...

Se os homens fossem humanos
Tudo quanto é vivo
Passaria por seus olhos
Sem que fosse destruído

Se os homens fossem humanos
Não haveria cercas, talvez nem fome
Mas principalmente não haveria prisão
Para capturar uma ideia e fazê-la sangrar

Se os homens fossem humanos
Seria proibido proibir pensar
E se expressar, e ler, e cantar
E saber que, no fundo, possuímos

A mesma grandeza, a mesma miséria
Um barro evoluído em célula
Uma matéria extraordinária da natureza
Um cuspe em que Deus quis estampar beleza

Que no fundo não importa se não há certeza
Somos todos iguais: hipócrita aquele que acredita
Que vai ganhar o céu enquanto na terra despreza,
Mata, humilha, retira do homem sua capacidade de ser gente:

Somos possibilidades infinitas de SER
FAZER, ESCOLHER
Eis a lei da Física!
Eis a lei de Deus!
Postar um comentário