Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Acalhoada



Eu não sei por que, mas de repente hoje, mais cedo, me veio essa palavra na cabeça. É, assim, do nada, como se costuma dizer. Acho que, pensando em muitas coisas e em mim, procurava eu, inconscientemente, um adjetivo para qualificar meu estado de espírito, minha situação, quem sabe. Aí me veio “acalhoada”, como se fosse ditada em minha cabeça.
Pois bem, a palavra ficou. Eu gostei da palavra, soou bem, parecia definir meu estado de espírito no momento, uma mistura de frenesi mental com desânimo e cansaço a variar entre o físico e o mental. Sabe quando você sabe que tem um monte de coisas pra resolver e protela? E quando você tem coisas suas para fazer, realizar, coisas até mesmo de que você gosta, mas mesmo assim protela? E quando você sabe que o futuro pode ser bem melhor, mas até se chegar lá muita coisa ainda pode ou vai piorar? E quando você precisa pensar em você e aí se sente egoísta, e pensa nos outros também, e aí sente que está se deixando de lado? Pois é. Eu disse que era um frenesi mental, uma mistura de vários sentimentos controversos que ao mesmo tempo te excita e desanima. Um algo sem nome. Aí bateu “acalhoada”.
Fiquei a pensar no sentido da palavra. Quando me aparece uma palavra específica eu quero muito saber seu significado real, seus empregos, sinônimos. Então eu pensei, já ouvi essa palavra, não significa “desanimada”. Eu não estou desanimada. Estou “acalhoada”, do tipo, meio “borocoxô”. Só que eu achei borocoxô muito borocoxô para a confusão de meus sentimentos, achei que acalhoada traduzia de modo mais intenso o que sentia.
Pois bem. Fui conferir no dicionário a palavra. Não a encontrei. Hum.
Fui no Google. “acalhoada significado”. Você quis dizer “bacalhoada”. Não! Droga! Insisti na pesquisa. Percebi que não fui conferir o significado, mas fiquei a caçar a palavra. Será que tal palavra não existe?? Finalmente a encontrei num site em que não me dava uma definição, me falava que ela era um substantivo etc etc. Tentei vasculhar o site, mas ele parecia não querer colaborar. Entrei em blogs (hã???). Até que, enfim, achei algo: o verbo “acalhoar”.

verbo transitivo


1.
atirar calhaus a
2.
perseguir, atirando pedras

Como assim?
Atirar calhaus, pedras?? Aí já deves imaginar que minha inocente conferência de significado tornou-se uma odisseia verbal, em que entrava e saía de sites conhecendo outras palavras, sinônimos e seus empregos para que, enfim, eu chegasse ao sentido de “acalhoada”. Foi uma grande aventura. Fiz descobertas e naveguei por águas bem desconhecidas.
Fiquei muito feliz por não empregar a palavra de maneira incorreta, publicar o texto e pagar mico. O fato é que não achei em lugar nenhum (aqui em casa ou na internet) que acalhoada é adjetivo e muito menos denota um estado de espírito em confusão, agitado e ao mesmo tempo desanimado. Ora, depois de todo esse trabalho e o estado de espírito inicial ainda tentar persistir, tomo a vez.

Acalhoada.
Adjetivo.
Diz-se da pessoa que, em grande agitação mental, encontra-se cansado; cansaço esse decorrente da agitação que o deprime e ao mesmo tempo o excita. Estado de espírito de um borocoxô saltitante.
Está aí, o significado. E o assunto da crônica, que era antes melancólico (borocoxô) acabou se tornando uma odisseia pelos mares verbais e terminou feliz (saltitante).

Obs: de onde tirei essa palavra? Não faço ideia. Alguém a ditou mais cedo para mim, quem sabe, só para me lembrar do quanto as palavras também podem ser divertidas. Meu estado de espírito já mudou. Não me sinto mais acalhoada.
Mais uma vez, a palavra me salvou.

Elayne Amorim
Postar um comentário