Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

As traduções do adeus...


“Adeus é feio
Até breve”
Adeus é pra sempre
até nunca mais
quando cai uma lágrima
ao fechar da pálpebra.
                                   Até breve é ali
no momento seguinte
ao terminar um sorriso
até começar outro.

Até breve, você me disse, e eu sabia que não era verdade, mesmo assim, acreditei. Até breve, e o Eterno cabe no breve. Aquele até breve dura, duro, até hoje. Aquele até breve foi uma forma sutil de me magoar, desintencionalmente, de novo.
Conheço pessoas que fogem de uma conversa.
Deixam-nos, como que à espera na beira do caminho.
Assim estáticos, assim perdidos, assim olhando pro nada
Esperando pelo que se foi, pelo que talvez um dia volte...

Adeus só é feio porque é uma despedida
É quando um vira as costas pro outro
Deixando um rastro de olhar pra trás.
Adeus só é feio porque quando se diz adeus
Algo morre dentro do peito
Algo, que acabara de nascer sem jeito,
Tem de morrer e depois ressurgir por inteiro.
Sabe a vantagem de você longe e eu longe?
É que você não vê meu olhar de tristeza
Quando diz um até breve secamente e some.

Posso resguardar meus sentimentos
Dizendo frases equivocadas que você não entende
Algumas nem mesmo deve ler e logo se esquece.

Eu te esperei por horas desde o último até breve.
Descobri que breve pode ser longo demais...
Até deu tempo de eu me apaixonar mais vezes.
A despedida é um adeus dado na esquina, um leve agitar de dedos, um sutil abanar de mão. Adeus é longo, estica as horas fazendo um dia parecer dois. A palavra adeus é um ponto final no fim da frase porque a página do tempo se esgotou. Adeus dá vontade de chorar quando a vontade é continuar. Adeus pode ser até nunca mais, ou até daqui a pouco. A tradução do adeus pesa, porque gera no peito uma pancada de dor contida, um aperto subentendido. É a hora de partir. É dar à conversa o direito de acabar. É quando sem mais nem menos procuramos assunto no meio do silêncio crepuscular que antecede o fim. É quando nasce em nós o desejo de voltar, adeus... adeus... é longo demais... para quem quer agora, para quem quer urgente; adeus é reticência, é a saudade antecipada, a vontade inesperada, é uma forma de falar não se vá...

Só me lembro de que quando te toquei e tu me tocaste na hora do adeus um calafrio percorreu todo meu corpo.
por Elayne Amorim
Postar um comentário