Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

PERMITA-SE...

As palavras às vezes nos adoçam a boca.Sem dúvida, é sempre mais fácil falar que praticar, é fácil treinar na frente do espelho e difícil encarar os olhos. É sempre mais fácil dizer a si mesmo o que fazer mas, difícil, tomar a decisão. E, depois da decisão tomada, é mais difícil pôr em prática. Entretanto, apesar disso tudo, as palavras são doces. As palavras são necessárias. As palavras têm poder. E foi pensando no poder delas que, de repente, este poema fluiu pelas minhas veias. Permitir-SE. Sim, permitir a você mesmo. Quantas limitações nos impomos, quantas vezes dizemos não ser capazes a nós mesmos, e nos convencemos de coisas erradas a nosso respeito. Temos medo da sociedade, do que os outros vão pensar, se vamos fugir da moda, se vamos parecer loucos...
Permitir-se. A ação de dar permissão a você mesmo de realizar tantas coisas...
As palavras nos libertam, permitamos isso...















Permita-se...
Permitir-se lançar ao mar, nem que seja da imaginação libertadora.
Permitir-se ser feliz, nem que seja por um instante no meio da rua.
Permitir-se amar, nem que seja através de uma boa lembrança.
Permitir-se escutar o que lhe dá prazer, nem que ninguém conheça sua música.

Permitir-se pedir desculpas, nem que seja em oração, dentro do seu quarto.
Permitir-se alegrar com seu trabalho, nem que todos achem ser em vão, que você ganha pouco.
Permitir-se revoltar, voltar atrás, por que não?
Quem foi que disse que é proibido arrepender-se do que fez? Ou do que não fez?
A palavra proibido só cabe no dicionário dos tolos... e somos tão tolos...

Permitir-se ser o que é, nem que alguém lhe lance um sorriso de zombaria, na verdade, esse sorriso, é de inveja incontida.
Permitir-se fazer o que gosta, nem que você goste do trivial.
Permitir-se falar bobagens, tomar um porre, chorar; não saber se chove água salgada ou se você está em pleno mar ou se é apenas uma gota simples de lágrima.
Permitir-se criar, inventar, nem que seja uma alça pendente num bambu.

Permitir-se arriscar e sentir medo.
Permitir-se ouvir a mesma música dez vezes, ler o mesmo livro por cinco e assistir ao mesmo filme por três. Saciar sua alma não tem prazer maior.
Permitir-se ser diferente, nem que pareça igual a todos.
Permitir-se andar descalço, deixar uma farpa lembrá-lo de que você está vivo, uma espetada vale mais que o entorpecimento de si mesmo.

Permitir-se tomar um remédio, mas não esquecer que você não depende dele para sorrir.
Permitir-se apaixonar mais vezes, a vida é curta para alguns, mas podemos torná-la extensa, cheia de histórias e personagens.
Permitir-se...
Continuar de onde parou.
Encerrar uma etapa.
Começar outra.
Ser o centro das atenções
E das críticas.
Causar dor em alguém
Mas com a consciência que você foi leal.

Permitir-se...

Permitir-se...
per
mita
SE.
Postar um comentário