Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Traduções de silêncios...


“Eu quase posso tocar o silêncio”*

Lembra-se daquele olhar?
Ocultava silenciosamente meu desespero.
Lembra-se de eu gaguejar?
Era o desespero ocultado em meu silêncio.
Quando se faz silêncio
E todas as coisas estão adormecidas
Todas as coisas mortas e coisas vivas
Todas
Uma fera indomável se levanta e começa a rugir.
E naquelas tardes um vento fraco soprava, soprava, soprava. Uns pássaros cantavam em pios sobrevoando a casa, o vento soprava, um sino de vento tilintava agudo, tímido na varanda, havia pássaros cantando numa árvore, as folhas batiam umas contra as outras asperamente, sons molhados.
E ela olhava pro nada que estava além da parede branca, além da janela quadrada, além do vidro da janela, além dos sons todos lá de fora, além do céu que se via da janela. Havia um nada. Era pra lá que ela olhava. Em silêncio.
Silêncio não é ausência de som.
Não é falta de palavras.
Não é embrenhar-se num quarto escuro
E encolher-se todo abraçando as pernas.

Silêncio é saber o que quer dizer
E não saber como dizer.
Silêncio é estar cheio
Enclausurado numa pedra, incomunicável.
Por quê? eu pergunto.
E o silêncio responde:
Por quê? eu pergunto.
E o silêncio responde:
foram muitas palavras palavras palavras
não ditas palavras malditas palavras reprimidas
palavras não lidas palavras contidas palavras retidas
palavras caladas palavras palavras palavras
que não dizem nada palavras sem sons
palavras nem ásperas nem brandas
palavras brancas sem pontos nem vírgulas
palavras palavras palavras sem fim
boiando dentro aqui dentro bem dentro
do meu interior mudo calado castrado
de onde nasce uma fonte que é a fonte de todas as palavras
de todas as ditas as não ditas
as que você levou as que você deixou
as que você ouviu as que você não viu
as que você entendeu as que você jamais compreenderá
todas todas todas as palavras todas
meu silêncio é uma fonte insana de palavras
e nada consigo dizer para aliviar a dor
porque a palavra dói o sentimento dói a ausência dói
o silêncio dói o olhar dói o rastro dói escrever dói
Um grande silêncio tomou conta dela. Era um silêncio profundo  era um grande volume de palavras que ela não sabia como dizer como organizar em frases em sujeitos em verbos em objetos ela temia que se abrisse a boca um pouco mais as palavras pulariam pra fora. Ela queria dizer muitas coisas ela queria dizer que... E aquele silêncio crescia ele fazia com que ela ficasse eufórica como uma surda-muda eufórica engasgada e ela com as palavras arranhadas por trás das cordas vocais aquelas cordas vocais que sempre gostaram de vibrar de se expor de gritar as cordas vocais estavam estáticas congeladas como o próprio frio que sentia nos pés e por dentro do estômago. A crise. As palavras mudas. O branco dos olhos como se fosse um monstro ela não queria se olhar ao espelho ver-se muda de olhos brancos lábios brancos como um monstro por quê? por quê? por quê? e o grande silêncio ia tomando conta de todo o seu corpo interno intenso e se espalhava por dentro até ultrapassar os limites dos ossos dos músculos do sangue da pele e o grande silêncio deixava seu corpo estático os olhos imensos brancos estáticos os lábios semicerrados semiabertos emitindo sons graves como um lamento às perguntas monocromáticas que lhe eram feitas. Ela pensava eu só... E os pensamentos a atordoavam a enlouqueciam pensamentos rebanhos infinitos de palavras e a falta da voz seu mundo construído desconstruído bem à sua frente ela pensava e pensava e pensava e não falava e não falava e pensava e pensava e entrava no silêncio dentro dela o silêncio engolia ela o silêncio o silêncio o silêncio o sussurro do silêncio o sussurro o shhhhiiiii...

* Capital Inicial
por Elayne Amorim
Postar um comentário