Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Relevâncias...

Como posso ser professor e ter a consciência de que não despertei mentes para o conhecimento e para a reflexão? Como posso não levar poesia a mentes que andam se esquecendo de sonhar? Como posso mentir a alguém que ele aprendeu se eu sei que ele não aprendeu? Ser pacífico não é ser passivo, se há algo errado, eu grito. E, mesmo que num grito silencioso, eu sei que há ouvidos atentos ao que digo... sou um poeta vivo. A palavra é minha arma. A palavra é minha conquista. A palavra é meu não-limite. A palavra mete medo. A palavra é coisa humana e feita para humanizar, e feita para despertar...

 Relevante?
As coisas do coração.
-um homem velho talvez sentado no banco de cimento meditando seu cansaço -

Aquelas coisas que passaram e que hoje já não têm mais graça. Eram engraçadas.
- não pensar em nada, apenas sentir com o olhar a beleza do mundo -

O mundo é belo. E eu o vejo povoado por árvores e espíritos, por flores e cheiros, por gente e poesia.
- passou-me agora uma lembrança desenhada no letreiro de um ônibus circular -

A lembrança pertence ao passado e ele anda por esta rodoviária e possui sabor de chiclete.
- os ônibus parecem grilos gigantes com seus retrovisores engraçados -
Grilos que rosnam motores.

O meu pensamento anda limitado demais ao cotidiano e não estou a achar fácil extrair poesia dele. Sinto-me coisa.
      Sinto-me número.
Sinto-me peça de uma engrenagem (des)emperrando.
A engrenagem range.
       Sinto-me peça fundamental.
               Os números não importam.

Não foco na desesperança mas na própria indignação que sinto.
      Eu me indignaria se não me indignasse.
            Eu me julgaria número.
                  Eu me julgaria meta.
                        Eu me julgaria bônus.
Eu tenho a poesia para me salvar da maquinação do humano. O humano não pode ser medido. O conhecimento não pode ser tecido em máquina. O conhecimento anda a ser trancafiado nas
mentes-coisas, nas coisas que mentem para os humanos que não se percebem mais humanizados. O ser humano é cardial, sem mentes pulsantes fica mais difícil transformar (a realidade).

Apenas mais difícil.
por Elayne Amorim
Postar um comentário