Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Quanto antes melhor



 Antes o suplício da espera à quietude do vazio
Antes a lágrima de amor ao não arriscar-se
À quietude branca e confortável do não sentir
Do não saber como poderia ser...

Antes perder a não tentar
Antes se arrepender a não se arriscar
Melhor se lembrar das loucuras do passado
A olhar para trás e nada ver

Antes sorrir das mancadas da vida e aprender
Antes perder tempo olhando o horizonte de mãos dadas
Pois o poder de ser feliz está em nossas mãos
Está naquilo que nos torna felizes...

Antes lutar que se entregar ao conformismo
Antes ser você mesmo que fingir até ao espelho
Antes a saudade a nunca ter sentido amor
Antes ser mal interpretado que afogar-se ao próprio silêncio

Antes o risco ao precipício da segurança inerte e morna
Antes o desespero do verso à falácia da prosa contida
Antes voltar atrás ao medo de seguir adiante
Ao orgulho de não pedir perdão

Antes o sonho a falecer vivo na lucidez líquida e flácida
Antes a dor a sentir o frio e solitário sabor do medo
Antes a espera... se você vem, se você não vem...
Antes a sensação que o nada a ser descrito
por Elayne Amorim
Postar um comentário