Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Procissão de São Jorge

Pois é, estou com problema no nervo ciático e não tenho podido participar das cavalgadas. Fiquei muito feliz por ter seguido toda a procissão em louvor a São Jorge em Valença. São pelo menos umas três horas percorrendo as ruas da cidade a cavalo. Foi muito emocionante, ainda mais porque não sabia se estaria bem para participar e no dia eu pude ir, não senti dor e amanheci bem no dia seguinte à festa.
            Há quem não goste do evento, eu, particularmente, sempre gostei. Sou devota de São Jorge e gosto da procissão a cavalo. É claro que há muitos motivos para não gostar da festa, pois presenciamos cenas lastimáveis de maus tratos aos animais, coisa que abomino. Alguns chegam ao final da festa praticamente exaustos e desidratados por causa dos chicotes, fibras e esporas que algumas pessoas usam sem necessidade, por pura... ignorância, ou maldade. Sem mencionar as bebedeiras desenfreadas...
            No entanto, é bonito ver que muitos outros estão ali pela fé, juntam os amigos para fazerem um passeio bonito, com seus animais arrumados e bem tratados. Alguns cavaleiros vêm de longe, de outras cidades para prestigiar a festa. É emocionante, seguir junto do locutor, acompanhar as orações, as músicas, ver as pessoas nas janelas e muros apreciando a parte bonita da festa.
            Eu, desde criança, me imaginava lá, no meio da procissão, com um cavalo bonito e enfeitado. Era um sonho bobo, infantil, que hoje posso realizar. Se eu fosse olhar apenas a parte ruim (impressionante, as pessoas é que enfeiam a festa), não participaria. Mas há a parte boa, e participo exatamente porque gosto dos cavalos, de estar com amigos, de manifestar minha fé e meu respeito pelo santo.
            Ajude a combater os maus tratos e o desrespeito aos animais. Tomara que não seja preciso acabar com a festa por causa de alguns que não sabem se comportar...

por Elayne Amorim
Postar um comentário