Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Novo Ano Novo



O ano é novo e fazemos aquelas velhas promessas...
Que eu te surpreenda, que tu me tragas novidades e eu não me desvie delas.
Que os brindes tilintem esperanças reais, que as minhas palavras sejam as velas do meu navio e me impulsionem à realidade dos meus sonhos.
Ano Novo, o desejo de que sejas melhor, na verdade, implica que eu seja melhor: que teus dias novos criem em mim a atitude da mudança que tanto procuro.
Aquilo que não foi bom fica para trás, tornar-se-á vaga lembrança de meu passado; ofereço-te o que me fez feliz, o que deu certo, o que jamais quero esquecer.
A cor da minha roupa pode simbolizar algo, mas o que importa mesmo é o que trago em meu coração. Para que branco, se não ajudo a promover a paz? Para que verde, se repito, junto ao senso comum, que a tendência é piorar? Para que vermelho, se quando o amor bate eu fujo, eu tenho medo dele?
Ó, Ano Novo, chega, mas não passes tão depressa – isso é um pedido mesmo – tem calma quando eu parar para contemplar as estrelas; espera-me quando eu estiver em meus momentos mais exaustos a perder o ônibus que me levaria a outros destinos. Eu não queria envelhecer, só amadurecer, compreender melhor esse presente chamado ‘vida’.
Conforme tu caminhas em rotação cada vez mais veloz, eu me deslumbro com essa coisa que tu produzes – o tempo – muito embora sabendo que a cada ano estou diferente ao espelho.
Que eu seja generosa com os segundos que me proporcionares. Tu és como um caminho desconhecido que o Criador traça para eu pisar; às vezes parece que tudo já fora escrito, às vezes parece que não e tudo depende de mim.
Neste mesmo momento em outro tempo eu chorava e nada sabia do ano novo que se aproximava. Hoje estou diferente e estou feliz. E tanta coisa que não sabia, hoje eu sei. A melhor delas é a novidade do depois. Depois tudo pode ser – e será – diferente.
Ano novo... vida nova? Não se eu não quiser. Não se eu não fizer. Aquela dieta, aquela caminhada, aquele emprego, aquele vício pra largar, aquela visita por fazer... aquelas coisas que costumamos prometer: que tudo se renove e faça sentido, que façamos realmente o que vale a pena, o que pode nos tornar mais felizes e melhores.
Limpar a mente dos pensamentos negativos, jogar mágoas antigas fora, retirar uns sentimentos bons para doar. Varrer a poeira da rotina, lustrar os sonhos, ousar em algo que nunca fizemos antes.
Ano novo é assim, novo – e é pra ser mesmo. A realidade é que ela possui as cores que trajamos dentro de nós, que seja permitido então, a qualquer hora do dia ou da noite, a qualquer momento, trajar o vermelho, o branco, o verde, o amarelo, o azul...
Traga-me mais poesia e eu te trago minha folha em branco. Ano Novo, seja bem vindo...

FELIZ ANO NOVO A TODOS!!!
por Elayne Amorim
Postar um comentário