Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Um beijo...



Não nego que queria um beijo seu.
Não posso negar que existe um fogo dentro de mim
E uma vez aceso é difícil de apagar.
Os nossos rocks tinham sabor de sangue e chocolate
Hoje consigo rir das nossas discussões infantis
E sentir saudades do que não vivemos juntos
Acho que não era pra ter sido.

Não nego que queria um beijo seu.
Na boca, de língua, voraz, como imagino que seja agora.
Repleto de sede e saliva, e quente e sem pudor
Até me deixar envergonhada.
Ficou um por que amargo e nostálgico.
Ainda somos tão jovens mas tão limitados
Tão presos ainda, tão em vidas tão diferentes.

Não nego que queria um beijo seu.
Mas tenho medo só de pensar...
E se meu coração disparar, e se meu estômago doer
E se minha sanidade me deixar, e se eu fizer os outros sofrerem
E se eu gostar, e se eu quiser mais, e se eu quiser ir além
Da boca, da pele, das mãos, do corpo
E se eu quiser sua alma pra mim, e se eu lhe fizer sangrar...

A possibilidade de um beijo é a possibilidade infinita de muitas coisas.
Será que o presente nos reservou um lugar no futuro?
Não nego, não quero nem vou negar:
Quero um beijo seu.
Seja onde for.
Seja como for.
Seja quando for.
Postar um comentário