Não tenho filosofia. Eu tenho poesia

Cirandas

Cacei palavras num dia frio
Encontrei palavras que eram de vidro
- era noite adentro –

O fogo queimou
A página virou
A borboleta voou
Deixando a lagarta
A alma duplicou
Em cada palavra
Estilhaçada!
Machucou
Rasgando o casulo
Rasgando o conceito
Voando pro alto
Caindo no abismo
A borboleta, a lagarta

A palavra de vidro que machucou a lagarta
Não chegou conhecer a potência das asas
- vidro pesado, estilhaçado; asas leves, delicadas –

O livro que tu me deste era fino e eu já li
O amor que tu me tinhas? era ilusão que eu vivi
O mundo é uma ciranda, vamos todos cirandar
Enquanto tuas palavras quebram eu prefiro é voar

Postar um comentário